Alguns roedores podem viver mais próximos a nós do que imaginamos e, como eles se espalham por diversos lugares e liberam excrementos, como saliva, urina e fezes, algumas vezes podemos entrar em contato com esses animais sem sequer precisar vê-los. Sabemos o quanto eles podem ser nojentos e nos transmitir diversas doenças, mas se manter o mais informado e atento possível é a melhor forma de estar sempre protegido.

Doenças causadas por roedores podem ser transmitidas entrando em contato com as fezes dos roedores, que são o meio pelo qual eles mais transmitem doenças. O contato com esses excrementos podem acontecer por diversas formas, como inalação, contato físico e até consumo. A inalação ocorre quando a urina e as fezes secam e se misturam ao ar. Ao ser inalado, o ar carrega junto as doenças das fezes e da urina. O contato pode acontecer quando alguns desses excrementos, atingem objetos ou até ambientes, principalmente públicos, nos quais encostamos. E o consumo ocorre quando fezes e urinas, que estão por toda parte e se espalham facilmente, chegam até nossos alimentos e bebidas.

 

Outra forma de contaminação acontece através de mordidas e arranhões, que não apenas deixam partes internas do nosso corpo expostas, como também permitem que elas entrem em contato com a saliva dos roedores, onde vivem bactérias e vírus bastante perigosos.

 

Os sintomas, infelizmente, são bastante parecidos com o da gripe: febre, náusea, dores abdominais, diarreia, dores de cabeça e nas juntas, dores musculares e tosse são alguns dos principais. Se a pessoa desconfiar de uma gripe e não souber que esteve em contato com um roedor ou seus restos e detritos, pode ser difícil identificar alguma doença causada por eles.

 

Roedores podem ser transmissores de diversas doenças causadas por vírus, bactérias, protozoários e até vermes. Algumas das principais são: leptospirose, peste bubônica, raiva, sarnas, salmonelose, hantavirose, febre da mordida de rato e micose. A leptospirose pode ser transmitida por diversos animais, mas é bastante conhecida pela transmissão através da urina de ratos. Trata-se de uma infecção causada por uma bactéria que parasita o rim do roedor, seu hospedeiro. A doença pode ser assintomática ou causar febres, mal-estar, dores no corpo, olhos avermelhados, cansaço, calafrios e náuseas, sintomas parecidos com os da gripe.

 

Proteja sua casa da presença de roedores, buracos, partes quebradas, vãos, recipientes, cômodos abandonados, todos esses são locais propícios para a proliferação desses animais e é preciso se livrar de todos eles. Ainda que a casa esteja livre de ambientes favoráveis, também é importante evitar deixar restos de alimentos em qualquer ambiente acessível, pois isso pode atraí-los. No geral, manter uma boa higiene e cuidar de bueiros ou outros focos próximos à casa são medidas eficazes. Preste atenção à procedência dos alimentos: escolha sempre restaurantes e marcas de alimentos industrializados confiáveis. Sempre prefira ingredientes limpos e fervidos. Evite entrar em contato, não encoste em objetos desconhecidos e sujos, em ambientes nos quais os animais possam ter passado ou mesmo nos próprios roedores, caso precise lidar com algum. Nesse caso, use luvas e roupas que possam ser descartados posteriormente, e de preferência em um local afastado de sua casa